Orquestra e Coral Agape

Em fevereiro de 1949, chegou a Jundiaí o irmão Virgílio José dos Santos, vindo da cidade do Rio de Janeiro para administrar as obras de construção das dependências do Exército Nacional. Ele logo encontrou a Assembleia de Deus, na rua Wately, 366, e apresentou-se ao pr. Juvenal de Andrade. Ciente de que o irmão Virgílio se achava sozinho na cidade, sem qualquer pessoa da sua família, o Pastor abriu as portas de sua casa, para que ali o irmão fizesse as refeições.

Logo no primeiro dia em que compareceu à casa do pastor, viu sobre a mesa um violão. Afinou-o e, sob o som de alguns harpejos, num impulso natural de músico, começou a cantarolar um hino da harpa. Pr. Juvenal, emocionado, quis saber sobre sua atividade na igreja de onde vinha. Era regente de coral. A igreja vinha orando há algum tempo para que Jesus enviasse um músico, era resposta das orações. Assim, o pr. Juvenal convenceu o irmão Virgílio a fundar na Igreja um coral.

Comprometido com Deus e com a Igreja, o irmão Virgílio iniciou imediatamente as aulas de música para alguns irmãos e os ensaios, em quatro naipes, fundando, desse modo, naquele ano de 1949, o coral. O primeiro hino ensaiado foi o número 412 da Harpa Cristã, que foi cantado no último domingo do mês de fevereiro, dia 27, inaugurando assim, o Coral desta Igreja. Na ocasião eram aproximadamente trinta componentes, que foram os pioneiros.

O irmão Virgílio ao mesmo tempo em que ensinava o coral, também ministrava a  teoria musical para alguns irmãos e, logo, formou-se uma banda musical, com instrumentos de sopro e de percussão. De outro lado, no final da década de 1950, o irmão José Carnier vinha de São Paulo para Jundiaí a fim de ensinar violino a algumas irmãs. Juntando-as com os outros irmãos que tocavam violão, bandolim, cavaquinho, acordeon e etc., formou-se uma orquestra, unindo-se, mais tarde, a esses instrumentos o órgão e, por último, o piano.

Com o tempo, grupos musicais foram se formando em todo o campo. O Promuca (Projeto Musicando o Campo), por exemplo, é um projeto dedicado à preparação musical daqueles que desejam participar desses grupos. Hoje, encontramos bandas, orquestras e corais espalhadas pelas congregações. São adolescentes, jovens e adultos que louvam a Deus, o que toca não só nossos corações como também os daquelas pessoas que ainda não aceitaram a Jesus como Salvador.

Adaptação do texto elaborado por Maria Helena Pereira Nunes, por ocasião do Jubileu de Ouro do Coral, em 1999, de acordo com informações de irmãos que pertenceram ao coral no ano de sua formação e do próprio regente, o irmão Virgilio José dos Santos.