Os Credos da Cristandade

Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina; persevera nestas coisas . . . (1 Tm 4.16)

"Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina; persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem" (1 Tm 4.16)

Doutrina é o conteúdo de um ensino ou uma crença. A doutrina responde às perguntas sobre Deus, a Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo, sobre a natureza humana, sobre a vontade de Deus, sobre o nosso destino. Conhecendo essas coisas, o cristão sabe o que é o evangelho e como recebê-lo (1 Tm 4.16). Longe de exigir de todos os crentes a erudição, a doutrina cristã protege-nos contra a heresia (1 Tm 4.1-6; 2 Tm 2.18; Tt 1.11).

A intelectualidade não anula a espiritualidade (1 Co 2.14, 15; Rm 12.3). A doutrina contribui para a unidade da Igreja (Rm 16.17; 1 Co 1.10; Ef 4.12, 13). "Credo" vem do latim e significa "creio" e desde muito cedo na história do cristianismo é mais que um conjunto de crenças, mas "intepretações precisas e autorizadas das Escrituras". Tem como objetivo sintetizar as doutrinas essenciais do cristianismo para facilitar as confissões públicas, conservar a doutrina contra as heresias. As passagens bíblicas a seguir são declarações rudimentares de confissões fé: Mt 10.32, 33; Rm 10.9, 10; 12.6; At 16.31; 1 Co 8.6; 15.3; 1 Tm 3-16; 2 Tm 1.13, 14; Hb 5.12; 1 Jo 4.2; 2 Jo 10.

Os principais os credos ecumênicos são: Credos dos Apóstolos, Credo Niceno, Credo Niceno-Constantinopolitanto, Credo de Calcedônia e o Credo Atanasiano. O primeiro credo da Bíblia está em Dt 6.4: "Ouve ó Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor", citado por Jesus como o primeiro de todos os mandamentos (Mc 12.29); ainda hoje é recitado pelos judeus religiosos três vezes ao dia. O Credo dos Apóstolos é o mais antigo dos três Credos ecumênicos. O Credo Niceno foi formulado em 325. O Credo Atanasiano define a doutrina da Trindade, foi formulado em 381 AD, reconhecido pelo Concílio da Calcedônia (451 AD) e pelo Concílio de Constantinopla II (553 AD); serve como teste da ortodoxia desde o século VII; difere dos outros dois pela sua complexidade e por ser de caráter doutrinário, com declaração direta à Trindade. A Bíblia é a única fonte para discernir entre ortodoxia e heresia. Ela é a Palavra de Deus, inspirada e o único padrão que define o certo e o errado, está acima de todos os credos e da tradição.